Seja bem vindo!

Em um mar de tantas doutrinas e teologias equivocadas, está cada vez mais difícil pescar algo realmente bíblico... É preciso ir à águas mais profundas...

"Vamos Pensar?" é um Blog para você que gosta de pensar, debater e não aceitar tudo do jeito que é e sempre foi. Aqui você encontrará debates entre amigos, textos apologéticos, música, pensamentos meus e seus e outras coisas mais.

Capa do CD do Ministério Adoradores do Pai

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013
3 comentários





Essa é a capa do nosso novo CD!
Ministério de Arrependimento e Santidade Adoradores do Pai
Para conhecer as músicas, entre no canal do youtube "Adoradores do Pai"
Um abraço!
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Pregadores, Cantores e a cobrança de cachês

quarta-feira, 2 de maio de 2012
4 comentários


Olá! A Paz e a Graça seja contigo!
Logo abaixo você lerá uma conversa entre eu e um amigo sobre este assunto.
Participe conosco! Pode opinar também!
Um abração!
Claudio Britto

Claudio, gostaria de te fazer uma pergunta. É algo que quero saber a bastante tempo.
Um dia, ouvi um pastor dizendo que pagou 3.000 reais para uma banda tocar na igreja dele. O que você acha disso?
Eu já começo dizendo que não concordo com "cachê" gospel para tocar em igrejas. Ministrar na casa do Senhor não deve ser um comércio. Desta forma, não creio ser correto uma banda pedir cachê e nem a igreja pagar. Mas há um outro caso. Se alguma produtora convida uma banda para um show, onde esta produtora cobrará ingressos, aí eu penso ser  justo a banda dizer o valor da sua "apresentação", pois, lembre-se meu amigo, que uma boa parte dos músicos vive somente da música e tem 2, 3 filhos pra sustentar...
Mas se a banda foi chamada para ministrar em uma igreja, não deve cobrar cachê, mas a igreja que a está convidando precisa ser sensível de que ali há pessoas que vivem "do" e "para" o ministério e dessa forma ela precisaria dar uma oferta de amor para o ministério convidado. Há muitos ministérios e igrejas que são capazes de trazer o ministro ou banda lá do outro lado do país, ser abençoada por suas ministrações e no final do culto não dar nem um copo de água ou uma carona para o pobre voltar pra casa...
Sintetizando, creio que é nessário um equilíbrio entre a banda, ministério ou cantor e a igreja: O cantor não deve cobrar, mas a igreja não pode deixar de ofertar (não é pagar cachê) na vida do ministro.  Tenho visto alguns ministérios fazerem diferente. Eles pedem que a igreja se comprometa a vender uma quantidade X de seus cds ou livros. Bastantes cantores sinceros, homens de Deus, tem feito dessa forma.

Outro dia, vi um rapaz pregar em uma igreja e, ainda em cima do púlpito, anunciou o lançamento de seu livro e no final do culto foi lá pra porta pra vender. O que você pensa disso?
Pois é... essa é uma situação delicada...
A propaganda é a alma do negócio... hehe... Qualquer pessoa que tenha alguns minutos para fazer propaganda do seu "produto" certamente venderá mais.
Mas como igreja não é comércio e nem loja... Devemos ser criteriosos.Mano, na minha opinião, creio que podemos sim deixar algum ministério ou ministro usar uns poucos minutos para falar do seu trabalho, seu livro ou cd, pois esses material abençoará a vida pessoas que estão no culto. Por exemplo, quando eu estou pregando e pelo assunto da pregação lembro de algum livro bacana que li, eu o indico do púlpito mesmo para a congregação. Vejo os irmãos anotando e alguns deles depois compram e leem o livro. Da mesma forma, um ministro que foi pregar ou cantar numa igreja pode indicar seu material como algo que abençoará a igreja. Mas isso deve ser feito de maneira equilibrada, sem tomar muito tempo e sem transformar a igreja em comércio.
Há muitos que se excedem e usam muito tempo para falar de si mesmo e seus produtos... Aí perde o foco...
Devemos ter bom senso nesse assunto...

Outro dia vi o (....) falar na TV que tudo que ele tem, comprou com o dinheiro das vendas dos livros que ele escreveu durante todos esses anos de "carreira cristã".
Mano, eu sei que não é seu caso,.mas, pergunto: é certo eu vender uma coisa que foi o Espírito Santo que ministrou ao meu coração? Pelo meu entendimento, acredito que não, salvo no seguinte caso: o dinheiro arrecadado pelo livro ou CD, será usado para pagar os custos da produção e o "lucro" será usado exclusivamente na obra. Mas, confesso que ao ler 1 Corintios 9 eu fico meio confuso do que pensar dessa tema.
Excelente você citar 1 Co 9. Tem tudo a ver com isso que estamos falando. Paulo, apóstolo, vivia integralmente pelo ministério e ainda sim conservava seu ofícios de fazer de tendas. Certamente ele não passava 8 horas por dia, de segunda a sábado, fazendo tendas, pois esse não era seu foco: trabalhar para acumular bens ou dinheiro. Ele usava seu ofício par ajudar no seu sutento, para que ele pudesse atuar no seu ministério tendo suas necessidades supridas... Entretanto em outra ocasiões, Paulo contou com a ajuda de igrejas para o seu sustento. Veja: (Filipenses 4:10-18)

"Fiquei muito contente e muito grato ao Senhor por constatar que vocês se lembraram de novo de mim. Sei bem que não me tinham esquecido; foi só uma questão de não terem tido oportunidade de me enviar a vossa ajuda.    11Não digo isto porque tenha receio de me ver na pobreza; já aprendi a contentar-me com o que tenho de momento. Sei o que é passar necessidades e sei também o que é ter em abundância. 12Aprendi já a viver em todas as circunstâncias: tanto na fartura como na fome; tanto no conforto como nas privações. 13Posso suportar todas as coisas com a ajuda de Cristo, que é a fonte da minha força. 14Mas fizeram bem em me terem ajudado nesta difícil situação 15E aliás vocês, filipenses, bem sabem que, quando parti da Macedónia e o vosso conhecimento do evangelho estava no princípio, nenhuma outra igreja se associou comigo quanto a dar ou a receber, senão somente a vossa 16Mesmo quando estava em Tessalónica vocês me enviaram por mais de uma vez aquilo que me era necessário 17Não é que esteja a fazer apelo a donativos; mas procuro antes que vocês produzam frutos que tornem maior a vossa recompensa.18De momento tenho o que me é preciso; tenho mesmo mais do que o suficiente, desde que Epafrodito me trouxe o que vocês me enviaram, e que é como que o perfume de um sacrifício que Deus aceita e que o satisfaz"

Ou seja, mano, Paulo trabalhava pelo seu sustento, mas igrejas investiam em seu ministério, para que ele dedicasse mais tempo na obra e cada vez menos tempo em trabalho secular.
Em 1 Co 9 Paulo está ensinando à problemática igreja de Corinto esse mesmo princípio. Ele cita a lei de Moisés diz que o próprio Deus insituiu aquela lei para ensinar esse princípio (de abençoar os que servem, ministram ao povo de Deus) ao povo. Veja:


"Pois está escrito na Lei de Moisés: “Não amordace o boi enquanto ele estiver debulhando o cereal”. Por acaso é com bois que Deus está preocupado? Não é certamente por nossa causa que ele o diz? Sim, isso foi escrito em nosso favor. Porque “o lavrador quando ara e o debulhador quando debulha, devem fazê-lo na esperança de participar da colheita”.  Se entre vocês semeamos coisas espirituais, seria demais colhermos de vocês coisas materiais?" ( 1 Coríntios 9:9-11)

Dessa forma, meu irmão, creio ser correto alguém que vive para a obra de Deus ser abençoado financeiramente para seu sustento.
Entretanto existem aquelem que usam a obra de Deus para se enriquecer, e não a veem mais como ministério, mas como trabalho com objetivo de lucrar o máximo possível... Uma pessoa assim já perdeu o foco há muito tempo...

O que você acha, meu amigo?
Outras Postagens...

Comer ou não comer carne vermelha na semana santa? Dúvida cruel...

quarta-feira, 4 de abril de 2012
3 comentários
Olá, internauta!
Você ainda tem dúvida sobre comer ou não carne vermelha na semana santa? Leia este breve pensamento que preparei para você não ficar mais nesta indecisão...

Vamos expor primeiramente o que a Igreja Católica, criadora desta tradição, explica sobre o não comer caner vermelha na semana santa.
"O jejum de carne durante a quaresma, e mais especificamente o da sexta feira da paixão, é feito como forma de penitência e em memória dos quarenta dias e quarenta noites que Nosso Senhor passou jejuando no deserto. A Igreja só pede aos fiéis que façam o jejum na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta Feira da Paixão, na Semana Santa."

Ou ainda nas palavras do Arcebispo Metropolitano, Dom Eurico dos Santos Veloso (http://www.acessa.com/pascoa/2006/domeurico/)"(...) a proposta da igreja católica de certas restrições alimentícias nessa época do ano está relacionada com a importância da data e com o fato de isso representar um sacríficio e uma demostração de domínio . O arcebispo conta que essa tradição, em anos anteriores permanecia durante a quaresma inteira e que foi sendo reduzida aos poucos. Hoje a igreja prega a sugestão de não se comer carne somente às sextas-feiras da quaresma e que essa penitência pode ser ainda complementada com outra ação: "Não coma carne na sexta, mas ofereça aquilo que você e sua família iam comer para quem não tem o que comer. Eles sim, podem comer carne na sexta-feira santa, porque já não se alimentam bem o ano inteiro", opina. Outro comentário importante do arcebispo: a não ingestão de carne é um simbolismo de penitência. Ou seja, se você não é "muito chegado" nesse alimento não vai estar fazendo sacríficio nenhum. A igreja já permite oficialmente a troca do alimento. "Não há motivo específico para não se comer carne que não seja a penitência. A carne não simboliza o corpo de cristo como muita gente pensa. É só um alimento base e também considerado nobre", explica Dom Eurico."

Irmãos, resumindo o pensamento da igreja católica: O não comer carne, na visão dela, é uma forma de jejuar, uma penitência para se identificar com o jejum de 40 dias que Jesus fez no deserto. Segundo eles, a carne vermelha não tem nada a ver com o corpo de Cristo, mas por ser o alimento base da maioria da população, se abster dele neste dia, significa jejuar.

Mas pessoal, vamos pensar?
Se realmente as pessoas querem se identificar com o jejum e sacrifício de Jesus por que não fazem um jejum completo ou comem apenas um pão, uma salada bem simples, ou só uma sopa, por exemplo? Não é sacrifício nenhum deixar de comer carne mas comer um peixe bem temperado e bem preparado. Aliás, alguém pensa no jejum de Jesus quando come o bacalhau com queijo?
Trocar a carne por peixe em nada significa sacrifício...

A bíblia não nos manda fazer esse jejum nesta data esṕecífica (data esta instituida por homens, não por Deus) ou deixar de comer carne vermelha nem outro alimento. Isto é uma tradição humana, católica e sem respaldo bíblico algum. Leia este trecho da bíblia qu está em I Timóteo 4.1-4:

1- Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
2- Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
3- Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
4- Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.

Enfim, na sexta feira dita santa ou em qualquer outro dia, coma aquilo que o Senhor te deu como provisão para aquele dia!
Irmãos, não comam peixe por tradição humana. Não deixem de comer carne por tradição católica.
Aliás, nesta sexta "santa", lá na minha casa, vai rolar um churrascão... hehe...
Outras Postagens...

Retiro de Jovens Nazarenos no Rio Grande do Sul - 2011 - Música Ressucita-me

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011
0 comentários
Outras Postagens...

Super Crente, um Cristão Pós Moderno

quinta-feira, 31 de março de 2011
2 comentários

Graça e paz!

O ser humano tem necessidade de novidade. Sempre foi e sempre será assim. Seja o novo modelo de carro, o mais atual celular, a nova moda, o novo tipo de cabelo, novas roupas, novos móveis para casa e alguns até novas esposas... Por que seria diferente com a doutrina?

Abaixo, temos um trecho de uma carta que um jovem mandou para seu amigo cristão que não vê a bastante tempo..."

"...Afinal, a bíblia tem mutos milênios e algumas coisas não se adaptam à nossa conteporânea realidade... Deus nos têm trazido novas revelações! E se estas forem diferentes da bíblia... Bom, não importa muito, pois queremos o novo de Deus, afinal, "O melhor de Deus ainda está por vir..." Queremos novos moveres, novas unções ("renova a unção sobre mim para profetizar....") Dizem que esquecemos desse pequeno versículo:"E a unção, que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis" ( 1João 2:27).
Estar preso somente à Palavra é tradicionalismo, e já fomos libertos disso, pois "Se o filho vos libertar verdadeiramente sereis livres" Viu? Usamos sim a bíblia! Alguns nos disseram que não fazemos uma boa exegese dos textos... Mas quem se importa com isso? Afinal, " A letra mata..."
Ungir com o óleo é um novo mover de deus. Eu digo novo porque quando eu era criança e estava numa igreja dessas tradicionais (Deus tenha misericórdia!) que só falavam em bíblia, de bíblia, na bíblia e não experimentava nenhum mover extravagante, o pastor ensinou que o óleo seria usado apenas para oração pelos enfermos, como ensina o livro de Tiago... Mas hoje, a Nova Doutrina ensinou-me que óleo é pra ungir tudo, tudo o que eu quiser, aliás, eu não, somente os sacerdotes e levitas ungidos... Alguém me disse que o que eu e Minha Igreja estávamos fazendo era judaizar o evangelho como os judeus que perseguiam Paulo após ele plantar as igrejas faziam... Eu não ligo, pois só jogam pedras em árvores frutíferas e Nossa Igreja "Igreja do Novo Mover e Nova Revelação" é uma igreja de sucesso, pois temos milhares de membros, um CD gravado e nosso Paipóstolo tem um programa na TV...
O que esse agitadores (que se chamam de profetas) tem é muita inveja da gente... Eles sempre vem com um papo estranho de negar-se, tomar a nossa cruz e blá blá blá... Eles não cantam músicas de exigir Promessas e Milagres e "Vencer e Vencer". Que evangelho maltrapilho esse deles...
Jesus foi muito rico! Ele andou de jumentinho Zero quilômetro e sua tûnica era sem custuras, típico de ricos e o seu amigo que o tirou da cruz, José de Arimatéia, era muito rico... Me falaram uma vez que Jesus disse que não tinha onde reclinar a cabeça e que ele mesmo falou que não devíamos ajuntar tesouros na terra... Ah, gente, isso deve ter sido apenas uma parábola... Jesus com suas parábolas... Jesus era extravagante até com suas historinhas... hahahaha...
Ah, como estou feliz com Minha Igreja. Lá eu me divirto, saio de todos os cultos, quer dizer, Reuniões de Celebração, alegre e contente! A pregação do pastor é bem pra cima, sabe? E o mais legal é que ele usa vários livros de auto ajuda pra pregar, as vezes ele nem leva bíblia (a bíblia a gente pode ler em casa) mas quando ele prega usando esses livros, a igreja vai ao delírio, pois tem fundamentos conteporâneos que precisamos para os dias de hoje... Ah, minha bela "Igreja do Novo Mover e Nova Revelação"como eu amo você...
Bom, para quem não faz parte da nossa Igreja eu digo: Vocês não sabem o que estão perdendo em nosso Novo Evangelho... Aqui, nossos profetas usam barbas longas e kepás e todos eles tem voto de Nazireado... Eles realmente são profetas, pois a cada Reunião de Celebração revelam coisas novas para nós... Par mim mesmo foi revelada uma chave numa bandeja trazida pelo varão de branco e ele trazia uma espada de fogo e uma vasilha de óleo. E atrás dele vinha muitos anjos trazendo ouro... Uma irmã intepretou que era a chave do carro zero chegando pra mim! Õ glória! Eu amo essas profetas!!! Toda a igreja os ama! O meu amigo que é da "Igreja do Velho Evangelho" disse que na igreja dele também tem um profeta (um só? que igreja sem unção...) e lá esse cara fica clamando contra o pecado e denunciando práticas erradas de igrejas como a minha... Ele disse que o pessoal não vai muito com a cara desse profeta não... E que ele não tem uma vida fácil não... Que tipo de profeta esquisito é esse? esas igrejas tradicionais...

Ah, tenho que ir! Foi bom falar um pouco pra vc como eu vivo lá na Minha Igreja. Tenho que ir ajuntar mais riquezas em meu celeiro! Afinal, a pastor me disse que a pobreza em que eu vivia há uns tempos atrás era fruto uma maldição hereditária que eu tinha... Eu não sou mais pobre! (bom, na verdade continuo cheio de dívidas... inclusive por que eu queimei tudo na Fogueira Gospel e ajudei os irmãos da igreja e trocar o carro do apóstolo e da bispa... Dois carrões importados... ele merecem, pois são os ungidos do Senhor, os sacerdotes, o que trazem a nova revelação de Deus pra nós... Pra eles, devemos dar tudo! Eles são muito ricos e prósperos, nos incentivando a ser santos como eles...) E lembra daquela enxaqueca que as vezes eu tinha? Então, o apóstolo orou em mim e eu fui liberto do meu pecado, pois a minha doença era pecado e agora que sou crente, aliás um Super Crente, eu não fico mais doente! Pois doença e pobreza é do diabo (Eu amo aquela música "Pisa na pobreza e na miséria e declara "sou mais que vencedor")

Um grande abraço, meu amigo!
Espero reencontrá-lo em breve!
Se não nos vermos aqui em terra, nos encontramos no céu! (Apesar daquele "profeta" esquisito da "Igreja do Velho Evangelho", aquela igreja super tradiconal que falei, insistir em dizer que se eu não voltar para a Palavra de Deus e me arrepender das falsas doutrinas, eu não vou para o céu... Que abusrdo, não é?)

Assinado: Super Crente, um Cristão Pós Moderno


"Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. — Gálatas 1:6-8"

Pr Claudio Britto, servo
Outras Postagens...

Os Evangélicos distantes da Adoração Bíblica

0 comentários

Olá, queridos amigos visitantes do meu Blog!
Compartilho abaixo com vocês alguns pensamentos de 4 cristãos sobre o que tem sido feito com a Adoração
Sinta-se a vontade para opinar!
Um abraço!
Pr Claudio Britto

"Os evangélicos distantes da adoração Bíblica"

Pastor Sívio Macri (veSHAME Gospel)
Curiosamente, o substantivo "adoração" não aparece na Bíblia. E o substantivo "adorador" aparece apenas uma vez (Jo 4:23).
Nos Estados Unidos surgiu até uma classe clerical para cuidar do assunto: são os chamados "worship leaders" (líderes de adoração) cujos correspondentes no Brasil vêm a ser os "ministros de louvor" (sic), os quais invariavelmente são músicos, ou pretendem ser. Tal classe é um sub-produto das mega-igrejas e da indústria de entretenimento "gospel" americanas, coisa que, infelizmente, se reproduz no Brasil.
Ester Etienne
Há um tom meio que de desabafo, me desculpe, mas sou Ministro de Louvor e o que faço para o Senhor não considero uma sub-função ou um sub-cargo para arrebatar multidões a um delírio de emoções, muito pelo contrário o trabalho que desenvolvemos pelo menos onde ADORAMOS ao Senhor Jesus é apenas despertar a Igreja para um louvor sincero e para muitas vezes alertar a Igreja durante uma ministração a ser prudente e entender o que está louvando.Não existe animadores de palco!!
Pastor Sívio Macri (veSHAME Gospel)
Aí está o primeiro problema: adoração tornou-se uma especialidade, uma parte do culto, que pode não acontecer se não houver um líder de adoração com seus respectivos colaboradores, também músicos. Portanto, adoração deixou de ser o culto propriamente dito, para ser uma parte dele.
Ester Etienne
Lamentávelmente, mais uma vez o que vejo é uma globalização...adoramos ao senhor com nossas vidas, não exatamente soemente com a música, mas o louvor é uma parte importantíssima em um culto de ADORAÇÃO ao Senhor, infelizmente nem todo mundo que é músico ama ser músico e nem todo mundo que não o é entende o que é ser.
Durante uma ministração se Louva, se adora, se prega...Há inúmeras Igrejas que deturpam isso sim, concordo, como há pastores que pregam o que lhes convém ou pregam o evangélho a que são PAGOS para pregar, assim como há músicos que tocam pelo dinheiro que ganham...Hipocresia existe em qualquer classe evangélica ou melhor, qualquer classe ministerial dentro da Igreja.
Pastor Sívio Macri (veSHAME Gospel)
E em relação a essa questão temos outro problema: tais líderes de adoração, ou seus equivalentes, passaram a assumir cada vez mais papeis que não lhes cabem nos cultos. Músicos são músicos, estão ali para executar e liderar a música, e não para fazer longas orações e longos discursos, quase sempre iguais e cansativos. Ou, pior ainda, para à moda de comunicadores de TV em seus programas mundanos, bradar palavras de ordem para o povo fazer isso ou aquilo.
Ester Etienne
Concordo que não é por muito falar ou usar de vãs repetições que Deus ouve e vem atuar.
Concordo também que não temos que ser animadores de auditório...Mas me desculpe mais uma vez, há pregadores que pregam quase sempre as mesmas mensagens e porque esses não recebem críticas por enfadarem o povo que os ouve???
Porque a crítica aos músicos apenas???
Há pastores que usam muito:-" Vire para seu irmão e diga..." Mas são pastores, não é? Eles podem, eles não são animadores de auditório.
Pastor Sívio Macri (veSHAME Gospel)
Sei que alguns vão torcer o nariz para o que está dito aqui, talvez nem terminarão a leitura, mas o propósito deste meu humilde escrito é despertar os irmãos para buscarem na Bíblia o verdadeiro significado da adoração e praticá-lo. Pois muitos de nós estamos caindo no mesmo pecado do povo de Israel, que "inventou" uma adoração que Deus repudiou: "Esse povo ora a mim com a boca e me louva com os lábios, mas o seu coração está longe de mim.
Ester Etienne
Concordo que a adoração ao Senhor não tem que ser rotulada ou vínculada apenas a parte do Louvor...Mas não poderia deixar de mostrar que a melhor forma de se mostrar a alguém como Deus verdadeiramente age, não é acusando esse ou aquele de estar executando um sub-trabalho para Deus, devemos sim orar para que Deus dê capacidade ao homem de distinguir o que é humano e o que é divino.
Em Efésios 4: 11- 16, há uma mensagem especial para nossas vidas.
Quando o homem alcança a estatura de varão perfeito, meu querido... Não se deixa levar por todo vento de doutrina e novidades.
Para finalizar, não veja o ministério dos levitas da casa do Senhor como algo tão abominável, pois somos Servos e trabalhamos com dedicação e amor para o Senhor, assim como os evangelistas, os pastores e tantos outros Servos de Deus, que muitas vezes também recebem como eu recebi de você, duras críticas.
Como diz a palavra do Senhor em 1 Ts 5:21 (Examinai tudo. Retende o bem).
Pretendo humildemente ver se em algo me assemelho com tudo que relatou aqui e se em algo eu como "ministro de Louvor" estiver errada diante do SENHOR ele ´tem liberdade em minha vida para me mostrar e modificar, porque estou à disposição dele.
Espero que reflita também sobre as minhas colocações e tente se colocar do outro lado da Muralha!
Que a paz do Senhor, que excede todo entendimento esteja com você hoje e sempre!

Carinhosamente,
Ester Etienne

Pastor Omar Nascimento (Igreja do Nazareno em Brasília - DF)
Paz, cara irmã em Cristo.
Antes de tecer qq comentário acerca do texto, quero me apresentar ou simplesmente lembrar que eu sou o Omar, esposo da Bianca que, desde 5 os anos dos idade, faz aulas de canto, piano e flauta transversal. Também sou pai da Isabel, que tem seguido de perto a carreira da mãe e, diga-se de passagem, começou mais cedo e tem um potencial ainda melhor, tanto que, pela insistência dos irmãos que a 2 anos me procuram, acabei dando a autorização para ela (10 anos de idade), fazer parte do grupo de louvor da igreja e cantar, mesmo pq, desde os 5 anos ela canta solo e acompanhada da mãe.
Bom, com esta apresentação, creio que metade dos seus argumentos caem por terra, qdo vc diz que eu não compreendo ou que eu deveria me esforçar em compreender este serviço (ministério) na casa de oração. É claro que não só compreendo, como faço um investimento bem salgado, no que tange as aulas delas, pois, como vc sabe, a área da música é muito cara no Brasil.
Partindo deste princípio, creio que vc não soube fazer a leitura correta do texto - que aliás não fui eu que escrevi -, mas gostei bastante, bem como a minha própria esposa e o Pr Claudio (também mergulhado no louvor até o pescoço e bacharelando em música pela UFRGS). Portanto, creio q eu estou mais "do outro lado da muralha" do que a irmã imaginou.
Nós temos que 'aprender a aprender' quando somos confrontados com a realidade BÍBLICA e a realidade da IGREJA. Em nenhum momento foi citado um ministério em particular, apesar dos exemplos ruins serem muito, mas muito maiores do que os bons. Mas isto é lógico, pois o próprio Senhor Jesus nos alertou que os tempos do fim seriam assim, e mais, que ainda tem muito a piorar. Contudo, em meio a todo este caos e mornidão da fé, existem sim os fiéis, graças a Deus.
Todos os e-mais que eu ENCAMINHO ou alguns que eu mesmo redijo, eu me empenho em não citar nomes de denominações ou pessoas, pois a Bíblia alerta qto ao julgamento de um irmão, porém, a mesma Bíblia nos alerta a julgarmos sim as doutrinas e não sermos ignorantes (chegando até a usar esta mesma expressão que plagiei; "não sejam ignorantes", na carta aos tessalonicences).
Bom, falando agora da minha opinião pessoal acerca do que foi exposto pelo autor do texto, realmente concordo com a posição globalizada de que há sim um reducionismo extremo do significado da adoração como música ou louvor. Parece até que Jesus, Paulo, Pedro e TODOS os demais discípulos não pregavam, mas cantavam. Digo isto pq a maioria das igrejas investem mais tempo na música do que na oração ou na exposição da Palavra. E isto está globalizado sim. É claro que existem exceções, graças a Deus, mas são como moscas brancas, infelizmente. Faça um teste e pergunte para meia-dúzia de irmãos o que é adoração? Creio que a resposta será quase unânime que eles lembrarão do louvor. A maioria diz que vai à igreja para adorar, qdo na verdade todos deveriam adorar durante todas as horas de sua vida, através do testemunho pessoal, das palavras, dos pensamentos, etc e também adorar em comunhão com os demais irmãos (na igreja ou nos grupos caseiros, etc). Se "despertar a igreja" para a adoração usando a música fosse uma ferramenta bem empregada pela igreja ao redor da terra (e mais especificamente no Brasil), nós não estaríamos numa crise de fé e de prática tão generalizada (respeitando sempre as exceções, mas são exceções mesmo).
Vc ainda chegou a comentar sobre o porquê dos pregadores (pois não são apenas pastores que pregam) não serem criticados. Realmente não foram, mas apenas neste e-mail, pois em TODOS os demais eles assim o são, aliás, este foi o primeiro que eles não foram o foco do discernimento segundo a Palavra, mas como este e-mail veio ao encontro do seu ministério...
Qto ao que o texto chama de ministro de louvor. Bom, realmente ele está certo, isto não existe na Bíblia. Também não significa que não possa existir um irmão idôneo que cumpra esta função - bom, qto a isto já falei da minha própria família e igreja em que hoje sirvo. Mas a questão está no foco que Laodicéia dá a esta função, ao ponto de deixar as pessoas em pé e cantando por mais de uma hora, qdo então se sentam cansadas (alguns verdadeiramente exaustos) para ouvir a Palavra (isto qdo há uma mensagem decente a ser pregada). E que os tais ministros falam mais do que o tempo que os pastores usam para expor o evangelho, isto é a mais pura verdade.
Não sou uma pessoa muito experiente, pois tenho menos de 40 anos, dos quais 13 como pastor em cinco cidades diferentes espalhadas em todo o território nacional (ou seja, no ministério sou um adolescente, rsrs). Mas assim como a irmã, também já participei de cultos em muitas outras igrejas e, em particular, em 4 países da América do Sul e um da América Central. Pelo pouco que vi, tudo o que foi escrito realmente acontece em todos estes lugares por onde passei. Sendo que o autor ainda nos poupou de palavras mais francas, ou seja, penso que ele foi bem educado, pois se fosse para falar as barbaridades que acontecem, generalizadamente, em nome de uma suposta autoridade dada a um ministro, isto chegaria a dar náuseas a quem lesse. Eu já cheguei ao ponto de me levantar e me retirar e procurar uma outra igreja, pois como já viajei bastante a trabalho, muitas vezes tive que procurar uma igreja para não ficar sem ir ao culto. Então, posso dizer que conheço bastante da realidade da igreja brasileira, desde a capital ao interior do RS, onde pastoreei por 4 anos, até Manaus, passando por Rio, Brasília, São Paulo, Minas, Goiás, Santa Catarina, Paraná e o meu nordeste.
Enfim, amada irmã, não podemos reduzir o nosso foco ao lugar e as pessoas que estamos congregando, pois os nossos irmãos estão expostos ao bombardeio da TV, rádio, etc, e se eles não forem alertados e ensinados por nós, serão prezas mais fáceis ao inimigo. O Senhor Jesus é amor, sim, mas Ele mesmo derrubou as mesas no templo, expôs os hipócritas, sepulcros caiados, copos sujos, falsos mestres, falsos profetas, amantes de si mesmo, etc. E ainda nos deixou a Palavra que nos alerta contra tudo o que enfrentamos em nossos dias (2Jo 10; 2Pe 2. 1 - 3; 1Co 3. 1 - 4). E como agir segundo esta Palavra sem julgar todas as coisas a nossa volta, incluindo a própria DOUTRINA da igreja, e sem compreender o nosso contexto? Impossível. Julgar e sentenciar pessoas, como eu já citei, realmente pode ser um erro crasso. Mas as demais coisas, inclusive discernir os espíritos, é nosso dever e obrigação, tanto para conosco, qto para com aqueles irmãos que ainda estão desenvolvendo o discernimento (os novos convertidos).
Me despeço insistindo em que a leitura de um texto como este deve ser feita sob um prisma analítico profundo, pois fala do estado geral da igreja (Ap 3. 14 - 22) dos tempos do fim, ou seja, o nosso tempo, pois o arrebatamento não vem qdo todos esperam, do contrário, será como um ladrão no meio da noite (lembra do que disse Jesus?), vem sem que o dono da casa esteja preparado. E o mais preocupante: Vc percebeu qtas virgens estavam dormindo por ocasião da chegada do noivo? TODAS! TODAS! TODAS AS 10 ESTAVAM DORMINDO!
Que pelo menos nós nos esforcemos em guardar o azeite puro e na quantidade suficiente, pois a trombeta vai soar a qq momento (1Ts 5. 6; 1Ts 4. 13 - 18). Talvez este e-mail nem seja lido (...) Maranata!
Muito obrigado por ter respondido a minha mensagem, isto demonstra seu interesse e zelo pelas coisas que envolvem o Reino. Permaneça firme em cumprir todos os propósitos de Deus em sua vida, sem esquecer que em primeiro lugar o seu amor a Deus, depois vem a sua família e só depois a Obra do Senhor.
Um fraternal e respeitoso abraço,
Omar.
Soli Deo Gloriae!

"LEMBREM-SE MEUS AMADOS, OS PROFETAS ERAM, NORMALMENTE, ODIADOS PELO POVO, POIS ELES SÓ ERAM NECESSÁRIOS QDO O POVO CEGAMENTE ANDAVA DISTANTE DOS CAMINHOS DO SENHOR DEUS. PODE SER QUE ESTEJAMOS VIVENDO UMA ÉPOCA EM QUE PRECISEMOS DE PROFETAS VERDADEIROS, AO INVÉS DE 'CANTORES' DE 'MANTRAS GOSPEL'.
ENFIM,
OMAR.

Pastor Claudio Britto (Igreja do Nazareno em Canoas - RS)
Santidade e Paz!
Já estava com saudades de uma discussão gospel acalorada desse naipe... hehe... Ainda mais na minha área de atuação!
Apresentando-me, sou o Pr Claudio ao qual o Pr Omar se referiu.
Entrando já de sola, muito me preocupa o rumo que a "adoração" tem tomado na minha geração. De igual forma, este termo tornou-se tão genérico e ao mesmo tempo muito restrito. Genérico porque qualquer coisa é chamada de adoração, inclusive músicas de auto ajuda, visualização, pensamento e confissão positiva que a igreja canta. Restrito porque se reduziu a adoração à música apenas, ao período de 19:00hs as 19:30hs do Domingo e a forma 3 -2 -1 (3 músicas rápidas, 2 lentas e 1 pra oração ou ofertório - aliás, eu muitas vezes uso essa maneira de conduzir o momento de louvor e adoração... rsrs, porém tenho plena consciência que a forma de nada vale...)
Gostaria de sintetizar o que é é o que não é adoração:

Adoração não é:
* Música
* Ato profético
* Dar ordens a Deus (Eu determino, eu exigo...)
* O exaltar do Eu (aliás, isso tem acontecido em demasia, grotescamente em nossos dias... Onde estão as canções que exaltam Deus? Ouço em demasia canções do tipo: "Venha em meu favor, realize meus sonhos, eu determino, determino, determino, Eu nasci pra vencer, e outras coisas congêneres... )
* Instrumento de manipulação
* E muitas outras coisas mais do que se tem feito na Igreja dita do Senhor

Adoração é:
* Relacionamento com Deus
* Amor a Ele expressado com nossas atitudes
* Santidade
* Modo de viver (Estilo de vida)
* Ressaltar as virtudes e caráter de Deus através de nossa vida, atitudes e palavras
* Ter dentro de nós o Espírito e a Verdade (Palavra de Deus) e desta forma, amá-lo com o nosso espírito submisso ao Espírito e com a sincera verdade do nosso coração submissa a Verdade tranformadora da Palavra.
* Disposição Natural e pró ativa do ser humano (Deus procura, Ele não faz Adoradores...)

Querida Ester! Que bom ver vc defendendo de maneira firme o seu ministério e o seu proceder. Bom porque creio que vc não se encaixou no que foi escrito pelo pensador. Não se encaixou por realmente não realizar e compartilhar de tais práticas ou por já estar tão imersa em tudo o que foi dito que não consegue mais enxergar onde está. Certamente vc está na primeira opção. Mas nem todos estão, Ester. Assim como o Omar, já andei um pouquinho pelo nosso Brasil e além disso, assisto na televisão as barbaridades que são faladas e cantadas em nome da fé (fé que, aliás, tem sido pregado totalmente diferente da fé bíblica... Fé não é determinar e exigir...é crer, esperar, se viver conforme a Palavra, isso é permancer na fé...)
Irmãos, infelizmente o pensador que escreveu o texto tem razão... Tem se feito um mercadejar da adoração como se tem feito a muitos milênios com a Palavra. Lembrando da música como uma ferramenta de adoração, onde estão as canções genuinamente bíblicas? Canções que enalteçam e exaltem a grandeza de Deus? Ou canções como o Salmo 51, canção de arrependimento? De onde saiu tanta canção de vitória, conquista, fé deturpada, milagres, promessas e finanças?
O que a adoração "extravagante" trouxe para nós? Se por um lado gerou-se uma maior liberdade e entrega no adorar, por outro lado gerou-se uma terrível falta de profundidade bíblica e uma necessidade absurda do sentir, do provar, do "experimentar Deus", submetendo o racionalismo cristão que Romanos 12 nos ensina à escravidão do sentimento corporal e emocionalismo.
A adoração só será profunda e verdadeira quando for nutrida pelo conhecimento da Palavra. Se o povo não conhece bíblia, não conhece Deus e não tem como adorá-lo... "Não Biblia - Não Adoração". Aliás, é pela falta de conhecimento bíblico que ainda se chamam - na maioria das igrejas - os adoradores de "Levitas". Não sou judeu para ser Levita. Jesus não me fez Levita. Ele me tirou do Reino das Trevas e me fez "Sacerdote Real". Diz-se que o músico é o Levita e o Pastor da igreja é o sacerdote (Idéia que remete ao ranço católico que ainda permeia boa parte das igrejas cristãs atuais...). Além de falta de conhecimento e entendimento da Palavra, este engano é atribuído ainda pela terrível pseudo "Teologia da Substituição", onde a Igreja tomou o lugar de Israel, que teria falhado em sua missão de reconhecer o Messias. Desta forma, a Igreja de Jesus passou a se chamar "Israel de Deus". Terrível engano, mais um engodo de Satanás e tem muita gente cantando isso... Aliás, um ministério de Louvor que admiro (ou admirava, ainda não sei... rsrs) lançou seu último CD intitulado "Milagres e Promessas" (a moda do momento...) tratando e chamando em quase todas as músicas a Igreja de "Israel de Deus"...
Como tem se cantado doutrinas pós modernas dizendo-se que é Adoração... Quanta prosperidade ("prosperarei, transbordarei", "é impossível estar perto de Ti e Tuas bençãos não ter..." ), quanta "Visão" ("Ganhar, Consolidar...") Não sou contra esse método, mas refugo totalmente fazer dele uma doutrina essencial e motivo de várias canções, chamadas de Adoração...
Enfim, concordo com o tema dessa breve discussão. Nós, evangélicos, estamos muito distantes da Adoração Bíblica...

Voltemos às Veredas Antigas!
Lembremo-nos de onde caímos e arrependamo-nos, Igreja do Senhor!
Retornemos a Adoração extravagantemente Bíblica!!!
Retornemos à Palavra!

Aprendendo a cada dia,
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

O Rock é do Diabo?

0 comentários

A boa e velha discussão volta à tona: Rock ou não Rock? Reggae ou não Reggae? Forró-Cassiane ou não Forró-Cassiane? Qual ritmo é de Deus e qual do Diabo?

Talvez isso tenha tido início nas composições dos Sacros Hinos, nos idos do séc 16, 17 e 18, quando os autores se apropriavam das melodias e harmonias de músicas ditas "mundanas" e colocavam letras "cristãs". Uns apoiavam e achavam benção, outros maldiziam... Interessante. Hoje, esses hinos são tremendos para nós e alguns dizem: "Isso sim que é música inspirada! Esses Rocks de hoje não passam de modismo, ou coisa do Diabo, mau e velho, muito velho, Pai do Rock".
Curioso...
Leiamos a origem dos hinos santos sacros que o grande Lutero compôs...

"Steve Miller escreveu: "O modelo para as suas (Lutero) composições eram as baladas do seu tempo. As melodias eram emprestadas das canções folclóricas Alemãs, a música das massas, e mesmo um hino para Maria. Lutero não estava preocupado com a associação ou origem das melodias assim como estava com sua habilidade para comunicar a verdade." (O Cristão e a Música Rock, Samuele Bacchiocchi, pág. 34)"

Alguns dos que abominam a inserção da música conteporânea na igreja cantam com toda felicidade as canções sacras de Lutero, que nada mais são do que canções folclóricas com letras alemãs.

Dando uma pesquisada no que nossos irmãos pensam sobre assunto, achei esse interessante comentário:

"Maneiras de evitar a Música Errada.

Em vez de escutar tapes e CD's durante toda a semana, cante canções do hinário. Deus quer ouvi-lo louvando-O, Ele não quer ouvir seu sistema estereofônico. O mandamento sempre mais repetido que Deus dá na Bíblia, é "louvai". Você receberá uma muitíssimo maior bênção cantando as canções do Cantor Cristão [ou Voz de Melodia], do que escutando um músico profissional.

Primariamente, cante canções que tenham 50 anos ou mais. A música mundana entra e sai de moda; mas os hinos clássicos nunca saem de moda."

(http://solascriptura-tt.org/LiturgiaMusicaLouvorCulto/MCC-MusicaCristaContemporanea-SLAnderson.htm)

Encontramos todo o tipo de pensamento... Pura e simplesmente porque temos variados gostos quanto aos estilos musicais. Determinar qual é o gênero musical sacro ou não é uma perda de tempo.

É evidente que temos que levar em conta os efeitos (emocionais, psicológicos e físicos) que cada gênero produz no ser humano. Penso que não convém tocar um Heavy com guitarra distorcida num culto de oração na quarta as 7:00hs da manhã com a presença maciça de senhoras, por exemplo... Com também não convem tocar apenas músicas do hinário num culto de jovens num sábado à noite cheio de convidados rockeiros, emos, "reggeiros", etc.

Equilíbrio e bom senso seriam boas palavras para determinar que tipo de gênero devemos ou não usar para cada tipo de reunião. Como músico na igreja, reconheço que é difícil, num culto de domingo à noite, por exemplo, "agradar" musicalmente falando, crianças, jovens, adultos, senhoras e visitantes, todos ao mesmo tempo.. Praticamente impossível. Segue novamente o bom senso para se conseguir equilibrar as coisas...

Mais importante do que o gênero musical é o conteúdo temático da música, ou seja, a letra. O que adianta cantar um hino do hinário com uma letra totalmente voltada as doutrinas pós-modernas?

Onde estão as canções de adoração? De rendição? De entrega? De arrependimento? De louvor e júbilo pelos feitos de Deus? Canções de gratidão por tamanha graça e salvação?
Ao contrário, vemos canções de auto ajuda, de conquista, vitória e nunca derrota, canções triunfalísticas e não triunfantes e canções que cantam métodos e "visões".

Que Deus tenha misericórdia de nós e nos ensine pelo Seu Santo Espírito como devemos adorá-lO realmente.


Um abraço a todos!
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Evangelho simples - Por que é tão complicado vivê-lo?

2 comentários


Por que não se vive um evangelho simples, sem adendos e invenções? Por que é preciso criar tantas doutrinas mirabolantes?
O evangelho de Jesus era tão simples... Tinha adoração a Deus, tinha discipulado, tinha sinais e maravilhas, profecias, restauração de vidas e principalmente Palavra de Deus.
Jesus não distribuiu títulos, não fez atos proféticos (não me digam que o lodo no olho do cego é ato profético), não gritou "recebaaaaaaaaaa", não entregou revelação de "jumento zero quilômetro" e "tenda nova" pra ninguém, não prometeu enriquecer discípulo nenhum, pelo contrário, disse para não ajuntar tesouros na terra... E ainda sim foi um evangelho completo, perfeito!
Seria tão fácil unir as igrejas se todas usassem o mesmo parâmetro, a mesma regra de fé, a Bíblia...
Mas infelizmente cada uma usa sua cartilha própria, com seus modismos, novas unções, novas revelações, seus líderes popstars...
Meu coração dói tanto...
Não quero ser juiz de ninguém, não é meu papel sentenciar este ou aquele, Até porque Jesus chutou as mesas dos cambistas do templo, não os cambistas... Mas não tenho como me calar ao ver tanta atrocidade supostamente em nome de Deus e do seu Reino...
É muito difícil para os profetas de hoje (os verdadeiros) se manterem longe da ira pecaminosa e da raiva excessiva e é muito fácil se distanciar do amor pelas vidas... Eis um grande desafio profético: Denunciar, destilando amor... Bradar e chorar ao mesmo tempo... Pregar às multidões e gemer em oração no secreto...
Que Deus sustente seus profetas!
Que Deus levante jovens com um chamado apostólico (o apostolado bíblico, não o que vemos hoje em muitos lugares...) de implantação de igrejas e pregação do evangelho nos mais longíquos rincões do Brasil e das nações, que não tenham o foco de sua vida em títulos e riquezas, mas em almas... mesmo que isso custe tal apóstolo não ter onde reclinar a cabeça (como seu mestre) e sofrer as agruras do proclamar as Boas Novas sem esperar nada em troca, ou ainda, recebendo as aflições que Paulo e tantos outros receberam...
Que Deus tenha misericórdia de nós, Noiva de Jesus...

Claudio
Outras Postagens...

Restauração dos Profetas e Apóstolos. Bíblico ou não?

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010
3 comentários

Um novo ministério surgiu levantando a bandeira de uma "RESTAURAÇÃO dos DONS/OFÍCIOS  de  APÓSTOLOS e PROFETAS (sic.)"

Eis algumas frase que constam em seu site (http://www.apostolicoprofetico.com.br)

"(...)Este é o mais importante texto da literatura evangélica a respeito da RESTAURAÇÃO dos DONS/OFÍCIOS  de   APÓSTOLOS e PROFETAS(...)"


"APÓSTOLOS PROFETAS - ESTE É “O LIVRO”!
DR. BILL HAMON"


"Somos testemunhas de uma mudança transcendental na estrutura da Igreja. Particularmente, eu gosto de chamá-la “Nova era apostólica”
 
Eles tem usado o versículo abaixo para afirmar que nestes últimos dias Deus tem "reativado"esses ofícios:

"Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados
os vossos pecados, e venham assim os tempos de refrigério
pela presença do Senhor. E envie ele a Jesus, que já dantes foi pregado. Convém que o céu o contenha até os tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas desde o princípio. Atos 3. 19–21"

Este é o embasamento que eles usam. Passei uma parte da minha manhã lendo o artigo deles (http://www.apostolicoprofetico.com.br/downloads/cobertura.pdf) e refletindo, ruminando cheguei a conclusão que o grande problema desta "doutrina" é a interpretação do que é a "restauração de tudo". Eles entenderam que é uma restauração de entendimento que o ministério apostólico e profético deve ser reativado...
Eles fizeram uma interpretação totalmente livre, sem compromisso com o contexto da frase em questão.

Aqui abaixo, segue o pensamento deles (nas suas próprias palavras)
"E, por que Deus está fazendo esta RESTAURAÇÃO de entendimento e ATIVANDO esses ministérios e ofícios? Simplesmente porque, após dois mil anos, já estamos na “estação profética” da volta de Jesus. Isso também está claro na profecia de Atos 3.19–21; pois, para a RESTAURAÇÃO DE TODAS AS COISAS neste tempo, a identidade e ministério apostólico e profético da Sua Igreja com os ofícios de apóstolos e profetas são fundamentais. É tão simples assim.

Estação profética da volta de Jesus... Para mim, isso é um perigo...
Eu vivo como se eu fosse a última geração mas não ouso declarar isso como doutrina...
Muitos o fizeram e se deram muito mal, como por exemplo os adventistas, no "Grande Desampontamento" no séc 19.

Fazendo uma exegese cuidadosa do versículo em questão, e interpretando corretamente o versículo, toda esta doutrina se desfará como um prédio que perde o alicerce...

Eu creio sim no ministério apostólico e profético, mas não com títulos (como eles propõem...) e não como os profetas e apóstolos que vemos hoje, que não tem nada a ver com os da bíblia...
Porque um apóstolo tem que ter sido antes um pastor, ter sido um bispo e por último ter sido promovido a tal? Onde vemos essa hierarquia quase militar na bíblia?
Onde vemos o Apóstolo bíblico agindo como "líder" de igreja e nela ficando por 20, 30 anos?
O apóstolo bíblico, como Paulo e os 11 mais Matias, foram homens que saíram de Jerusalém para implantarem o evangelho e igrejas ao redor do mundo... Implantadores de igreja... Dessa forma, um irmão que não foi pastor pode receber o chamado de Deus para ser um apóstolo e ir implantar igrejas... Mas isso nos dias de hoje seria um ultraje... Pois o apóstolo é título máximo da hierquia eclesiática...

Penso que nunca deixou de existir apóstolos e profetas (os verdadeiros, os que não tinham títulos)... Só que a maioria deles perdia sua vida por amor ao evangelho. Apóstolos e Profetas pós modernos são coisa de algumas décadas pra cá, onde a Teologia da Substituição e da Prosperidade tomou conta de uma boa parte da Noiva de Jesus...

Profeta não é o que "profetiza" carros zeros, casas novas e prosperidade financeira...
Apóstolo não é aquele que foi sendo promovido até chegar a ser dono de uma igreja... (que na maioria das vezes tem seu rosto e seu nome estampado nas placas das igrejas...)

Profetas e apóstolos verdadeiros doam sua vida em prol do evangelho, não fazem questão do seu nome na mídia e nas vitrines...

Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Unção em Spray: A nova onda!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010
2 comentários

Cantora e Bispa lançam o Aroma Gospel, a unção em spray

Segundo o site da Igreja Sara Nossa Terra, “o Aroma Gospel é uma empresa que nasceu com um sonho de ter produtos de ótima qualidade e excelência para atender ao público evangélico”. A empresa já está no ramo a alguns anos, e hoje tem a frente como sócia e garota propaganda a cantora e Pastora Alda Célia, artista contratada pela gravadora MK Music.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Em entrevista com Bispa Ana Almeida, da Igreja Sara Nossa Terra do Rio de Janeiro, descreveu como surgiu a idéia que teve com as sócias pastora Alda Célia e Neuzi Pantera, para lançar este óleo, segundo elas “abençoado”, e também explicam que uma das primeiras providências da nova empresa foi criar um aroma em spray para perfumar todas as igrejas Sara Nossa Terra do Brasil e do exterior a partir de 2008.

Como surgiu a idéia do Aroma Gospel?
Quando a pastora Alda Célia voltou de Israel o que mais me impressionou foi que estávamos buscando um óleo que tivesse boa qualidade, um ótimo aroma e que acreditamos que representasse a unção.
(Representar a Unção com cheiro???)
Ela trouxe um óleo de ótima qualidade e tivemos todo o cuidado nos detalhes, como por exemplo em fazer uma embalagem bonita e prática através do spray. É uma coisa prática para que a pessoa ficasse com aquele aroma lembrando da unção.
(O que é lembrar da Unção? Ou melhor, o que é Unção? Aquele momento no culto onde aconteceu algo de sobrenatural ou miraculoso? Ou um momento onde aquele cantor "profetizou" alguma "palavra ungida"?)
Porque entrar no mercado de produtos evangélicos?
Porque não consumir produtos que saibamos da procedência debaixo de todos os conceitos bíblicos? E também a empresa nasce onde colocamos Deus como nosso sócio, ou seja, 10% da empresa pertence a Ele.
(Sócio? Deus precisa ser nosso sócio? E que sociedade injusta essa... Eles ficam com 90% e Deus com 10%? Passando a perna no sócio, hein... Falando sério agora, Jesus não pediu 10% dos nossos negócios, Ele pediu tudo! 100% da nossa vida como um todo. Do nosso amor, vigor, tempo, bens, etc. Se eu tivesse alguma sociedade com Deus Ele teria tudo e eu não teria nada, pois tudo a Ele entreguei. Que maldito mercadejar com Deus. Esse negociar, fazer do relacionamento com Deus um contrato de sociedade e comércio me enoja...)
Nosso sonho é ser uma empresa modelo e as pessoas verão que é possível ter um negócio cumprindo todas as leis e ser abençoado.
Como é a Aroma Sara Nossa Terra?
Nossa primeira providência foi trabalhar em cima do aroma que perfume as igrejas. Já que a Sara Nossa Terra estava com este projeto de padronizar o visual, resolvemos trabalhar em cima de um spray que pudesse ser colocado no ambiente. Como todos gostaram do cheiro da mirra, pois é forte e ao mesmo tempo suave, pensamos em tornar o cheiro da mirra a nossa essência. Para que todos que entrarem na Sara Nossa Terra sentissem o cheiro da unção.
(É... provavelmente quem andava com Jesus enquanto Ele estava aqui não sentia esse "cheiro de unção" não... Talvez sentissem o seu cheiro de suor, o cheiro dos mendigos que o abraçavam e o odor terrível que traziam as pessoas que andavam nos redutos de marginais e doentes que se arrependiam e começavam a andar com Ele... Por que perdemos tempo em tantas coisas incoerentemente bíblicas? Essa empresa só existe porque tem gente que compra, e é muita gente... Que grande oportunidade para os empresários o mercado gospel... Crentes não pensantes que engolem qualquer coisa que lhes é colocada como "ungida". Até quando, Senhor? Sabonete ungido, spray da unção, rosa ungida, copo dágua "consagrado", foto e roupas que foram "oradas"... quanta mandiga no meio do povo "de Deus". Restaura Tua Noiva, Jesus...)
Porque o ramo de perfumes, essências e sprays?
(Eu respondo: Porque dá lucro. Única e exclusivamente lucro. Achou-se um meio de comércio gospel lucrativo e aproveitou-se. É o capitalismo no seio da Igreja...)
Quando montamos a empresa estávamos pensando em que produzir, pois a Alda tem uma abrangência muito grande no Brasil. Queríamos divulgar um produto que não deixasse de trazer um conceito de adoração. Inaugurar a empresa com este óleo teve um significado muito grande para nós.
(Nunca vi Jesus usando óleo para abençoar o barco de Pedro, o jumentinho "zero quilômetro (by D.D. Marco Feliciano)" que ele usou, a casa de Zaqueu... A bílbia nos ensina que nós cristãos gentios, usamos o óleo somente no caso de oração pelos enfermos, como descrito no livro de Tiago... Como a Teologia da Substituição (vide artigo em meu blog) está presente em grande parte das igrejas, é comum os gentios agirem como judeus e daí toda essa confusão e prática incoerente de sair ungindo qualquer coisa que se vê pela frente... 
Pois estavamos em busca desta unção de adoração
(Mas o que é Unção de adoração? Como faço para recebê-la? Do mesmo modo da unção de ousadia, unção de conquista, unção de multiplicação? O conceito de adoração mostra-se totalmente equivocado. Todos os filhos de Deus são chamados à adoração. Alguns são chamados a atuarem com música (que não é a adoração em si, mas apenas uma ferramente para tal). Não preciso de uma "unção de adoração" para adorá-lo. Sendo semelhante a Jesus, vivendo em santidade, tendo um estilo de vida condizente com um Cristão eu sou um adorador do Pai. Dessa forma, eu não sei realmente o que é unção de adoração...)
e as pessoas irão poder ficar com aquele cheirinho gostoso.
(E o bolsinho dos donos do empresa ficarão bem cheinhos...) 

A idéia é levar a Aroma Gospel para todo o Brasil?
A idéia é disponibilizar o óleo em todo o Brasil através do mercado cristão, em site de produtos gospel e também na Sara Brasil. Nossa idéia, em primeiro lugar, foi atender ao ministério Sara Nossa Terra e depois partirmos para todo mercado evangélico do Brasil e com isso reunirmos representantes de diversos pontos do País.

Alda Celia e a Aroma Gospel

Em 2009 a cantora, pastora e ministra de louvor Alda Célia chegou a falar sobre o Aroma Gospel: “Quero testemunhar uma bênção: neste ano Deus permitiu que ao lado da Bispa Ana de Brito e de Neuzi Pantera lançássemos o óleo ‘Aroma Gospel’ que já é vendido em todo Brasil. Deus está nos dando novas estratégias e agora também lançamos o óleo da alegria.”
(Será que chegará o ponto de quando acabarmos de cantar: "Óleo de Alegria, vestes de louvor, coroa ao invés de cinzas, pra glóra do Senhor..." seremos convidados a comprar este óleo de alegria pois sem ele nossa vida não será uma vida feliz? Não duvido nada. E duvido menos ainda que haverá fila para comprá-lo... )
 O Aroma Gospel também conta com óleo repelente em sua linha de produtos. Segundo blogs e sites do gênero o oléo ungido em spray custa em base R$10.

Fonte: Sara Nossa Terra e Gospel+
Igreja do Senhor, desperte! O Mais rápido possível! Se não, ao vir o Noivo, você será comoa virgem louca que perdeu o seu noivo...
Não sou um recalcado ou um intransigente. Sou um apaixonado pelo Noivo e como integrante da Noiva, quero me doar ao máximo para mostrar a ela seus errados caminhos... Que Deus levante seus profetas! E que a igreja os ouça...
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Por que esse filme se tornou um sucesso mundial? Pelos efeitos e história apenas? Será?

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010
3 comentários
Avatar e a vindoura religião mundial única

O filme Avatar*, de James Cameron, é um fascinante e arrebatador sucesso nos cinemas. Seus efeitos especiais são tão tremendos que transportam a audiência vividamente para um outro mundo, no qual adorar uma árvore e ter comunhão com espíritos não são apenas aceitáveis, mas atraentes. Avatar é também marcadamente panteísta e essencialmente o evangelho segundo James Cameron. Esse tema panteísta, que iguala Deus às forças e leis do Universo, é apresentado claramente pelos heróis e heroínas do filme: todos adoram Eywa, a deusa “Mãe de Tudo”, que é descrita como “uma rede de energia” que “flui através de todas as coisas viventes”.
Sobretudo, o filme é repleto de mágica ritualística, comunhão com espíritos, xamanismo, e descarada idolatria, de forma que condiciona os espectadores a acreditarem nessas mentiras do ocultismo pagão. Além disso, a platéia é levada a simpatizar com o Avatar e termina torcendo por ele quando é iniciado nos rituais pagãos. No final, até mesmo a cientista-chefe torna-se pagã, proclamando que está “com Eywa, ela é real” e que ficará com Eywa após sua morte.
Enquanto a representação fictícia de James Cameron a respeito da religião da natureza presta-se muito bem à mentira da Nova Era de que as religiões dos nativos americanos [indígenas] eram favoráveis à vida e inofensivas, a representação dos sacerdotes maias em Apocalypto (de Mel Gibson), devedores de divindades sedentas por sangue, que exigiam o sangue de suas vítimas sacrificiais, estava muito mais perto da verdade. A maneira adocicada e romântica com que James Cameron mostra os selvagens e os antigos cultos à natureza em Avatar é oposta aos fatos encontrados em antigos códices e achados arqueológicos: estes revelam que os astecas, os maias e os incas estavam todos envolvidos em sacrifícios humanos em massa, inclusive tomando a vida de criancinhas inocentes para apaziguar seus deuses demoníacos.
O tema panteísta, que iguala Deus às forças e leis do Universo, é apresentado claramente pelos heróis e heroínas De Avatar: todos adoram Eywa, a deusa “Mãe de Tudo”, que é descrita como “uma rede de energia” que “flui através de Todas as coisas viventes”.

Conhecendo o histórico das obras de James Cameron em atacar o cristianismo, e especialmente a ressurreição de Cristo no documentário absolutamente desacreditado The Lost Tomb of Jesus [exibido no Brasil como “O Sepulcro Esquecido de Jesus” e lançado em DVD como “O Sepulcro Secreto de Jesus”], não deveria nos surpreender que ele escrevesse e dirigisse uma propaganda de 300 milhões de dólares para promover o culto à natureza e aos espíritos.
Claramente, Hollywood tem tido uma influência persistente em arrancar os EUA [e o Ocidente] de suas raízes cristãs conservadoras e levá-los a crenças e práticas do ocultismo da Nova Era. O panteísmo atrai a turma de Hollywood porque ensina que todos somos Deus e que não precisamos nos preocupar em sermos obedientes ou em prestarmos conta diante de um Deus pessoal que criou o Universo. Entretanto, não são apenas os diretores [de cinema] que rejeitam a Cristo que estão buscando fazer com que o mundo abrace a adoração à Terra sob a máscara de sua imaginária Deusa-Mãe Terra; é também o próprio líder do movimento do aquecimento global, Al Gore.

Com os diretores de vanguarda de Hollywood e as figuras políticas de Washington na liderança, os EUA [e o Ocidente] estão rapidamente voltando ao paganismo que envolveu o mundo em trevas espirituais durante milênios. Que Deus nos ajude a prestar mais atenção à admoestação do apóstolo Paulo, encontrada nas Sagradas Escrituras. Ele nos ensinou que a adoração à natureza nos tempos da Antigüidade era resultado do afastamento da adoração ao único e verdadeiro Deus que, para começar, foi quem criou a natureza:
“Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém” (Rm 1.21-25). (Joe Schimmel – www.goodfight.org - http://www.chamada.com.br)

* Segundo o hinduísmo, avatar é uma manifestação corporal de um ser imortal. Deriva do sânscrito Avatara, que significa “descida”, normalmente denotando uma encarnação de Vishnu (tais como Krishna), que muitos hinduístas reverenciam como divindade. Por extensão, muitos não-hindus usam o termo para denotar as encarnações de divindades em outras religiões.
** Pan: palavra de origem grega que significa “tudo, todas as coisas”.


Outras Postagens...

Fogo Estranho...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010
1 comentários
O evangelho da Graça - com o qual aprendemos que não merecemos o favor de Deus mas mesmo assim o recebemos - tem se tornado cada vez mais escasso. As Boas Novas do momento são: vc merece o melhor desta terra! Vc nasceu pra vencer! Tome posse de tudo o que vc merece! Visualise sua casa própria, seu carro zero... dê de oferta o dízimo do salário que vc quer ganhar... Maldito negociar...
O Evangelho tem sido a cada dia mais mercantilizado... Foi assim em Israel (sacerdotes que aproveitavam dos sacrifícios) foi assim nos tempos de Paulo, é assim em nossos dias e será assim até a volta de Jesus...
Isso não é um sentimento pessimista ou uma desesperança total... Mesmo que haja um grande avivamento e a igreja se arrependa da sua prostituição pecaminosa de tantas décadas (ou séculos, ou milênios) sempre existirão os que fazem da fé negócio e que ouvirão do Senhor: Nunca vos conheci...

Cursos de "Doutor em Teologia" por apenas X reais em tantos dias!
Entrevistas de emprego para se avaliar o perfil do candidado a pastor...
"Pastores" que precisam cumprir meta financeira, senão serão despedidos...


Onde está a Igreja que, como Jesus, não se importa em ter onde reclinar a cabeça?
A Igreja que não precisa de grandes templos e nem de CD gravado do seu ministério de Louvor para fazê-la conhecida?
Onde estão os servos que, como Eliseu, não aceitam presentes por terem sido usados por Deus?
Onde estão os adoradores que, como Davi, se arrependem profundamente do seu pecado e são chamados homens segundo o coração de Deus?
O fogo genuíno, aquele que arde de Amor pelo seu Noivo... Aquele que faz a Igreja sair das 4 paredes e buscar os perdidos... Aquele que queima o pecado e incendeia de paixão o coração... Aquele que faz o homem querer ser como Jesus, semelhante a Ele em todo o tempo, este, se perdeu... Surgiu um fogo estranho, que queima pela cobiça e pelo amor ao melhor desta Terra...

Fogo estranho tem estado no teu coração, Noiva...
Um fogo que não foi o Senhor que acendeu...

Que a Igreja retorne ao Caminho Antigo.
Que retorne à Palavra!
Que retorne para Deus!

Santidade ao Senhor!

Claudio, servo
Outras Postagens...

Teologia da Substituição: O cerne de muitos males...

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009
0 comentários
Pensando sobre os desvios doutrinários que permeiam a Igreja do Senhor, cheguei a uma conclusão. O problema da grande maioria das interpretações equivocadas ou descaradamente falsas vem da relação mal resolvida "Israel - Igreja". A Igreja quer tomar posse das promessas que são inerentes à Israel, mas quando o assunto é sobre às maldições por desobediência ou castigo... aí a Igreja não quer tomar posse.
Músicos querem ser Levitas. Pastores querem que somente eles sejam sacerdotes. Apossa-se das profecias exclusivas de Israel e faz-se um culto de adoração ao Senhor nos moldes das tradições judaicas. E por último, e o mais perigoso de tudo é que a Igreja quer ser o "Israel de Deus". Leiamos um comentário que achei na Internet sobre o assunto.

"Não resta mais nenhuma promessa de Deus referente a Canaã. Deus já cumpriu a promessa de dar a terra aos descendentes de Abraão e para deixar o povo voltar após o cativeiro. Quando o povo perdeu a terra pela segunda vez, perdeu todo o seu direito a ela. Em 1948, alguns judeus retornaram, mas este evento não é cumprimento de nenhuma profecia bíblica; é simplesmente um acontecimento político.
As escrituras afirmam nitidamente que não há mais distinção entre judeus e gentios perante o Senhor. "Não há diferença entre judeus e gentios, pois o mesmo Senhor é Senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam" (Romanos 10:12; veja Colossenses 3:11). Qualquer promessa possuída pelos judeus hoje aplica-se igualmente aos gentios, porque Deus não mais diferencia os dois em nada. Todos os servos fiéis ao Senhor são contados como Israel hoje. "Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus. E, se vocês são de Cristo, são descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa" (Gálatas 3:28-29). O Israel de Deus inclui todos os servos dele independente da sua nacionalidade (Gálatas 6:16; Romanos 4:11-17)"


Mais um problema de intrepretação, de texto fora do contexto. O autor desse artigo esqueceu-se de colocar uma palavra muito importante antes do versículo de Gl 3:28-29:
"Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus."
Pergunto então: Nisto, o quê? Os versículos anteriores, 26 e 27 nos dão a resposta:
26 Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus
27 Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo.

Somos todos iguais no crer em Jesus, ser batizado e ser revestido dele! Pergunto: Os Judeus foram batizados e revestidos de Cristo? Não! Não somos Judeus e nem eles são Igreja. Deus trata de maneira específica com cada um destes. Claudio, e os Judeus que creem em Cristo como Messias? Logo logo falarei deles...
O embasamento que se usa para o termo "Israel de Deus" pelos que defendem a Teologia da Substituição está em Gálatas 6:16

"E, a todos quantos andarem de conformidade com esta regra, paz e misericórdia sejam sobre eles e sobre o Israel de Deus" (Gl 6.16)." (grifo meu)

A passagem é simples e clara. A primeira parte do versículo 16: "E, a todos quantos andarem de conformidade com esta regra", refere-se à regra recém mencionada por Paulo no versículo 15: "Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura". Esta é uma categoria espiritual que engloba todos os crentes, para os quais Paulo pronuncia uma bênção: "paz e misericórdia sejam sobre eles". A ela segue-se seu comentário adicional: "e sobre o Israel de Deus".

Se a intenção de Paulo fosse identificar "eles" como "o Israel de Deus", então, por que não eliminou simplesmente o "e" ("kai" - em grego) após "eles"? O resultado seria muito mais apropriado, caso Paulo estivesse identificando o pronome "eles", ou seja, a Igreja, com o termo "Israel". Nesse caso, o versículo seria traduzido da seguinte forma: "E, a todos que andarem de conformidade com esta regra, paz e misericórdia sejam sobre eles, o Israel de Deus"... Entretanto, Paulo não eliminou o "kai". (http://www.beth-shalom.com.br/artigos/israeldedeus.html)

Ora bolas!!! Quem é o Israel de Deus então, Claudio?

Gálatas refere-se a gentios que procuravam alcançar a salvação pela lei. Eles estavam sendo enganandos pelos judaizantes – judeus que exigiam a adesão à lei de Moisés. Para estes, um gentio tinha de converter-se primeiro ao judaísmo a fim de ser qualificado para a salvação por meio de Cristo. No versículo 15, Paulo afirma que o importante para a salvação é a fé, que tem como conseqüência o ser nova criatura. A seguir, ele pronuncia uma bênção sobre dois grupos de pessoas que deveriam seguir essa regra da salvação unicamente pela fé. O primeiro grupo, referido na passagem pelo pronome "eles", é o dos cristãos gentios, a quem ele havia dedicado a maior parte da epístola. O segundo grupo é denominado de "o Israel de Deus". Nesse caso, trata-se de cristãos hebreus que, em contraste com os judaizantes, seguiam a regra da salvação unicamente pela fé. Por outro lado, nota-se uma distinção entre os dois grupos, pois apenas os cristãos hebreus são o Israel de Deus. Trata-se de uma questão de posição, que aqui representa uma função definida. (http://www.beth-shalom.com.br/artigos/israeldedeus.html)

Sintetizando meus pensamentos. Se a Teologia da Substituição fosse denunciada a nível macro e seu poder e influência enfraquecidos, até a doutrina da prosperidade perderia seu chão e desmoronaria, assim com a maldição hereditária, assim como a unção com óleo pra um monte de coisas, assim como levitas e sacerdotes-pastores... Enfim, quase todas ou todas pseudo doutrinas que vemos hoje se desfariam se o alicerece delas fosse tirado...
Se assim ocorresse, os cristãos que lessem um pouquinho de bíblia já identificariam os erros propagados por estas. Isso no campo da teoria, porque na prática, a Confissão Positiva e adendos existem - da força e maneira que existem - porque o povo quer uma teologia que agrade o seu coração e desejos carnais e terrenos... Um não existe sem o outro - Teologia da Prosperidade - Povo que deseja o melhor da terra...

Nos dê sabedoria, Senhor, para não sermos enganados...

Aprendendo a cada dia,
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

NeoAdoração Narcisista... Até quando???

quarta-feira, 25 de novembro de 2009
1 comentários

Adoração a quem?
Adoração à adoração! Adoração aos "Adoradores"!
Tem gente que ama adorar, até extravagantemente, adora, adora, adora, mas não adora a Deus...
Adoradores da adoração, que amam deleitar-se com canções que falam sobre correr, pular, aplaudir, dançar e beijar... Mas que detestam viver a adoração diária de renúncia e santidade...
A Noiva está tão impregnada das neodoutrinas antibíblicas que nem consegue enxergar o seu "eu" sendo exaltado e a profundidade bíblica das canções se esvaíndo pelo ralo...
Vcs se recordam de alguma canção que está no "hit parade" gospel que tem uma letra como essa, por exemplo?

"Senhor, Tu és...
Tua majestade, Tua Glória, Tua misericórdia...
Nos rendemos, nos negamos e exaltamos o Teu nome acima de tudo em nossa vida, pois..
Tu és, Tu és... Tu és..."

Se vcs tem visto, eu não...
Nas paradas de sucesso vejo:

"Se diante de mim não se abrir o mar...
Eu vou viver uma virada...
Eu tenho a marca da promessa...
Pisa na pobreza e na miséria e declara: sou mais que vencedor...
Eu nasci para conquistar...
Eu determino, determino, determino...
Bendito eu serei... Meus celeiros transbordarão...
Eu quero de volta o que é meu..."

E mais um mooooooooonte de canções que servem como terapia ou auto-ajuda e que declaram o "eu" e não o "És"...

As canções no seio da Igreja só mudarão quando o coração da Noiva se arrepender e voltar ao simples, puro e velho evangelho de Jesus... Quando isso acontecer, canções bíblicas e músicas de arrependimento e genuína adoração voltarão a ser entoadas por nós...

Que Deus levante seu profetas desta geração...
E que purifique sua Noiva...

Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Dízimo: dar ou não? Mandamento para a Igreja ou para Israel?

quarta-feira, 18 de novembro de 2009
1 comentários
 
Será mesmo???

A grande problemática que gira em torno do dízimo ou não dízimo está na coluna cervical da interpretação bíblica: a crença ou não na Teologia da Substituição, que crê que a Igreja substituiu Israel no Plano Divino. Crendo nesta (que é um grande desvio doutrinário) apropriar-se-á de muitas promessas e deveres que somente são inerentes à Israel e usar-se-á para a Igreja. Uma destas é o dízimo.

Pergunto: O que é o devorador? Tem sido ensinado por aí que é um demônio que Deus "solta" para destruir a vida financeira ou no mínimo amaldiçoar a vida do crente que naquele mês não deu o dízimo... (na minha mente vem a imagem de um cachorro preso doido pra se soltar e sair mordendo tudo o que encontrar pela frente, e quando se falha em dar o dízimo Deus solta este cachorro pra ele fazer a festa...)

Sou dizimista. Mas não o sou por Lei e sim por amor e pelo ensinamento neotestamentário eclesiástico de que aquele que dá deve o fazer segundo o que propôs em seu coração e com Alegria, pois Deus ama quem assim o faz.

"E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. 2 Coríntios 9:6 e 7)


Mas eu poderia dar 9% ou 11%. Decidi dar no mínimo 10%, mas não estou preso a esse número.

Enfim, penso que é bom para o cistão dar o dízimo, desde que o esteja fazendo por amor e decisão e não por medo de uma maldição criada pelo homem.
Certamente os pastores que pensam desta forma são a minoria, pois muitos destes decidem depender das Entradas do Templo e não do seu próprio trabalho... Entretanto, dentre estes, há aqueles que a Igreja Local necessita tê-los disponíveis em tempo integral, pois é grande a demanda de vidas e assuntos que necessitam do pastor presente em qualquer horário. Para estas comunidades, não é difícil sustentá-lo integralmente. São pastores sérios, realmente chamados, que são dignos do "salário" (prebenda) pelo seu trabalho pastoral...
Mas há outros que porque não "deram certo" na vida resolveram arrumar o emprego de pastor e assim o encaram, interpretando a bíblia conforme lhes convém para que seu sustento, digo, seu salário (e não prebenda) nunca falte... Estes dificilmente ousarão interpretar corretamente a bíblia e perder as benesses financeiras da livre interpretação da Palavra, sem fidelidade à uma séria exegese ...

Pensando, errando e acertando a cada dia,
Claudio
Outras Postagens...

Julgar ou não Julgar? Eis a questão...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009
1 comentários

Infelizmente vejo a Noiva do Senhor prostituída com falsos engodos e doutrinas de demônios... Um desses engodos é usar erroneamente Mateus 7:2, que trata do julgar o irmão. Muitos líderes tem se apropriado desse versículo para não serem criticados e confrontados...

Quanto ao julgar, vamos a Mateus 7:1 e 2.  

"Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós."
A orientação do Senhor para "não julgar" no texto em questão usa a palavra grega krino, cujo significado — de acordo com o Expository Dictionary of New Testament Words, de W. E. Vine — é: "primeiro indica separar, selecionar, escolher; portanto, determinar e então julgar, pronunciar julgamento". Em outras palavras a advertência é para nós não nos postarmos como juízes e pronunciar sentença contra uma pessoae condená-la — particularmente se estamos usando a nós mesmos como padrão. Isso não significa, entretanto, que devemos deixar de observar os outros e formar opiniões sobre a validade de sua profissão de fé. Isso não significa que os pastores devam deixar de advertir seu rebanho sobre o erro doutrinário nos ministérios dos outros pastores. Uma das maiores mentiras do Diabo é que a unidade deve ser preservada por meio da abolição de toda a crítica.
Se continuarmos lendo este capítulo 7 de Mateus, vamos ver que Jesus diz no versículo 6:

"Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem."

Como saber quem é cão? Como saber quem são porcos? Não preciso me colocar como juiz a sentenciar tais pessoas para saber o que são. Observando suas posturas e frutos perante à Palavra de Deus saberemos quem são. No versículo 15 temos:
"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?"
Mais uma vez. Como saber quem são os falsos profetas? Pelos frutos! Como ser um profeta verdadeiro falando e pregando o que não está na Bíblia? Como ser um genuíno profeta prometendo o que Deus não promete e ensinando o que a Palavra de Deus não ensina? Devemos sim julgar todo o tipo de doutrina e ensinamento que está presente na igreja do Senhor. Deus nos deu capacidade crítica e inteligência e nos deu ainda a Palavra dEle como parâmetro e regra de fé.
"Onde estão os crentes de Beréia, meu Jesus..."

Os pastores são exortados em 2 Timóteo 4.2 a redarguir, repreender e exortar "com toda a longanimidade e doutrina". A palavra grega traduzida como "redarguir" é freqüentemente usada no sentido de "expor" e encontramos isso refletido em Efésios 5:11,13:

"E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as... Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta."
Apontar o erro doutrinário é uma parte essencial do ministério de qualquer pastor genuíno e deve ser feito para o benefício do povo de Deus. Então, quando acharmos necessário criticar as táticas e os ensinos dos outros, isso deve ser feito com amor, usando a Palavra de Deus como padrão e não as nossas próprias idéias. Quando se demonstra que alguém está em erro, a piedade e a popularidade reconhecidas dessa pessoa não devem ofuscar ou sobrepujar os fatos. Errado é errado, por maior que seja a reputação.
Alguém pode perguntar: "onde está o seu amor? quem julga como você não demonstra nenhum amor..."
Eu amo tanto, mas tanto a Igreja, a Noiva do Senhor, que farei de tudo para expor (enquanto há tempo) seus erros e falsos caminhos, para que uma boa parte da Igreja venha a se encontrar com Jesus no arrebatamento, pois, se a mesma continuar indo atrás de falsos modismos e falsos mestres... Apocalipse 3:16 diz o que ocorrerá com ela:
"Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca."
Assim, gasto minha vida para expor a Palavra de Deus e levar a correção dEle à Sua Noiva, pois...

"Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te." Ap 3:19

Aos pés do Senhor cada dia, em humilhação e rendição,
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Bancada Evangélica: Representantes de Deus?

terça-feira, 22 de setembro de 2009
3 comentários

Infelizmente a grande maioria da dita "bancada evangélica" não dá o mínimo testemunho como tal perante a sociedade. De "representantes de Deus" a maioria não tem nada... São representantes do seu próprio ventre, seu verdadeiro deus...

Leiamos um dos muitos relatos (que são fatos) que achamos sobre a tal bancada:


"Políticos, ditos evangélicos, são facilmente corrompidos.Os números não mentem, consultem os seguintes DADOS, fornecidos pela TRANSPARÊNCIA BRASIL:
1) DA BANCADA “EVANGÉLICA” , TODOS OS DEPUTADOS QUE A COMPÕE RESPONDEM PROCESSOS JUDICIAIS ;

2) 95% ,DA REFERIDA BANCADA , ESTÃO ENTRE OS MAIS FALTOSOS;
3) 87% , DA REFERIDA BANCADA, ESTÃO NA CATEGORIA DOS “MAIS INEXPRESSIVOS” DO DIAP;
4) NA ÚLTIMA DÉCADA NÃO HOUVE UM SÓ PROJETO DE EXPRESSÃO OU CAPAZ DE MUDAR A REALIDADE DO PAÍS, ENCABEÇADO POR UM PARLAMENTAR EVANGÉLICO

Ou então, outras notícias como esta:

"A bancada evangélica na Câmara ficou reduzida a pouco mais da metade em conseqüência do envolvimento de Deputados Crentes com a máfia dos sanguessugas."

Eis uma grande falácia: "crente tem que votar em crente". Penso que é preferívil votar em um descrente bom cidadão, que dá exemplo como tal e que não falta as sessões do congresso do que votar em um pastor, bispo ou apóstolo (como queiram) que pelas necessidades do "Reino de Deus" precisa faltar seu trabalho na Cãmara ou Senado para servir à igreja... Por que se candidatou então? Quantos pastores presidentes de Igreja que acabam deixando-a em segundo plano para se dedicar à politíca... Ou quantos "políticos evangélicos" que usam a massa crente (realmente a massa é burra, evangélica ou não...) para conseguir seus votos, através da falácia que citei acima.

A verdadeira revolução, transformação da sociedade, não se dará pela política, por um presidente evangélico, ou coisa do tipo, mas pela voz profética da Igreja (não a Laodicéia...) clamando e vivendo contra o pecado, pregando e praticando a Palavra (a genuína, não a mercadejada...) e levando o evangelho das Boas Novas aos perdidos (por amor, e não para auferir lucros...)

Enfim, é preciso uma revolução na Noiva, uma transformação (e não apenas uma reforma) total na Igreja de Cristo, um reavivamento bíblico, com profundo arrependimento por todos esses anos de evangelho mercadejado, prostituído e adulterado, porque só desta forma a Igreja do Senhor poderá se levantar com autoridade para clamar contra o pecado da sociedade sem Deus.

Aprendendo a cada dia,
Pr Claudio Britto
Outras Postagens...

Obrigatoriedade de Músicos Cristãos pagarem taxas para tocar na Igreja...

quinta-feira, 17 de setembro de 2009
0 comentários
Modelo de carteira de músico

Um breve e saudável debate sobre a obrigatoriedade ou não do músico cristão precisar ser filiado a OMB para exercer sua função de músico na Igreja.


De Danilo Miguel
Dias desses vi no site do Teophilo um texto falando sobre a possibilidade da OMB (Ordem dos Músicos do Brasil) multar os músicos evangélicos que não forem filiados à autarquia. Na realidade quem pagará a multa não são os músicos, mas as igrejas que permitem que tais digamos, profissionais, toquem em seus shows, cultos, reuniões ou seja lá o que for. A Ordem se baseia na Lei 3.857 de 22 de dezembro de 1960(!) e que regula a atividade de músico.
Pois bem, como a música na igreja deixou de ser uma forma de expressão de louvor e adoração à Deus e tornou-se apenas mais um objeto de comércio, uma forma de exaltação e rivalidade do homem ("eu canto melhor que você", ou "minha igreja tem uma banda melhor que a sua" ou também "nosso grupo participou do evento X") e os músicos, antes adoradores, hoje são meros profissionais, nada melhor que cobrar sim e exigir a devida filiação à Ordem. Por que o cara que ganha a vida ralando nas noites, tocando em barzinhos, aguentando fumaça de cigarro, bêbados e coisas piores tem que ser filiado (e pagar as taxas devidas) e aquele que canta (profissionalmente) na igreja não? É este melhor que aquele?
É evidente que nem tudo está perdido! GRAÇAS a Deus que ainda existam pessoas interessadas em prestar um verdadeiro culto à Ele e O adoram em espírito e em verdade seja onde for, com ou sem plateia, com equipamentos caros ou só no "gogó". À estes seria uma verdadeira injustiça falar em taxá-los, em filiação ou qualquer coisa parecida pois em muitos casos eles nunca tiveram a oportunidade de profissionalização sendo que em muitos casos (se não todos) o que sabem é por puro dom. Mas, como separar o joio do trigo?
A propósito, existe alguma OPB (Ordem dos Pregadores do Brasil)? ...
 
De Claudio Britto
Essa lei é totalmente equivocada e sem nexo algum.

"Taxar falsos adoradores e não taxar verdadeiros adoradores?" Quer dizer que o músico que dantes foi "adorador" e hoje é um músico profissional que deixou de lado a adoração merece como punição ser obrigado a se filiar nesta Ordem? Hum...
Se a OMB desse algum benefício à classe dos músicos, ou realmente fosse responsável pelo bom funcionamento da profissão, como faz a OAB, CREA, e tantas outras ordens e conselhos, haveria alguma lógica solicitar a filiação dos tais a OMB. Como não existe isso, e a OMB é nada mais do que uma carteirinha de músico, não há a mínima lógica e senso esta lei.
Não é porque a música se tornou comércio na igreja - em muitos lugares -  que por isso se vai começar a cobrar, conforme comentário do Daniel. Comecem a cobrar dos falsos pregadores então, dos falsos apóstolos, dos falsos mestres e do resto de mercenários que infelizmente há na igreja do Senhor.
 
Sou terminantemente contra essa absurda lei.
Um abraço a todos.
Claudio Britto
 
De Site adorando
(Claudio escrevendo...) Leiam mais sobre esta matéria, divulgado no site www.adorando.com.br

Carteira de Músico: Cantores, bandas, ministérios, levitas terão que pagar para cantar, se não serão multados

É isso mesmo o título da matéria não está errado, de acordo com a autarquia federal "Ordem dos Músicos do Brasil" (OMB), quem não possuir uma "carteirinha" de músico pela ordem terá que pagar uma multa, isso incluí bandas que se apresentam em shows, cantores e até levitas, então você que está inserido no louvor de sua igreja local se não possuir a "carterinha" será multado, quer dizer, você não, mas a igreja na qual você pertence sim!
Este absurdo é graças a enferrujada Lei 3.857, de 22 de dezembro de 1960, que regula a atividade de músico, exigindo que só pode exercer a profissão quem estiver registrado na OMB.
Até ai tudo bem, o problema é que este registro custa R$215,00 e após o seu ingresso na entidade o músico terá que pagar uma taxa anual de R$100,00, para manter a "carterinha". Outro detalhe de relevância é a criação da Delegacia Musical Cristã, que foi inaugurada em março de 2009, e tem como objetivo fiscalizar as igrejas para enquadrar quem não apresentar está licença, serviço que já ocorreu na sede da Bola de Neve Church em São Paulo, onde a igreja foi multada pelos seus músicos não possuírem o documento da OMB. A igreja através de seus advogados foi obrigada a entrar com um mandado de segurança para evitar o pagamento desta multa. A liminar foi deferida, suspendendo o auto de infração e impedindo, até o julgamento do mérito, que a autarquia tome qualquer atitude coercitiva em face da igreja e músicos que tocam em seus cultos.
"A petição teve vários embasamentos legais, como a liberdade constitucional de culto e a voluntariedade dos músicos da igreja, entre outros", informou a advogada Taís Piccinini, responsável pela ação em entrevista para a matéria também sobre este mesmo assunto no portal Cristianismo Hoje. "O que acontece na igreja não é e nunca foi um show, mas culto a Deus, onde o amor e dedicação são os únicos incentivos para o trabalho no templo." declara.
Uma esperança contra está autarquia, é a PL 223/09 do nobre Deputado Giannazi (PSOL), que pretende garantir o livre exercício da atividade de músico no Estado de São Paulo. Vamos aguardar!  




De Leonardo Moreira
Não... Quem está é equivocado é o senhor, Pastor Claudio. Se fiscais da OMB entram num estabelecimento onde há um musico exercendo a profissão de musico sem o documento em dia, é recolhido o equipamento e o estabelecimento é autuado mediante a lei. ou seja. tem contrato, ta rolando grana e não tem carterinha está fora da lei....Indiscutivelmente!!!!!!




De Matheus Soares
Eu é que estou quase cobrando pra ouvir tantas asneiras sendo cantadas pelos cantores "góspeis" e pelas músicas bizarras entoadas nos nossos cultos como "louvor a Deus".
Ademais, quantos de nós já não esbarramos em músicos profissionais que começaram suas carreiras "inocentemente" dentro de uma igreja evangélica?
A igreja está aqui para formar profissionais ou cristãos, independente dos dons e/ou ministérios?
E de se pensar não?
Abraço,
Matheus Soares

De Omar Nascimento
Sou terminantemente à favor desta lei, desde que seja como está escrito no comentário que deu origem a este debate.
A OMB não tem que fazer nada a mais pelos músicos que tocam com letras que fazem alusão a Bíblia. Ela deve fazer o mesmo por todos. Caso não esteja fazendo praticamente nada para todos, então estão todos iguais. A questão não é se a OMB faz algo por alguma classe de músicos, mas se a taxa é cobrada de quem ganha dinheiro com a música no Brasil. Se há cobrança para o Roque e para o forró, então deve haver cobrança para todos.
Adorador não é quem canta alguma coisa. Adorar é quem é um cristão verdadeiro. O enfoque não é em quem adora, mas em quem está tirando proveito da música para sobreviver ou enriquecer, não importa. A lei deve ser igual para todos.
Agora, tocar na igreja fazendo parte do culto - DESDE QUE NÃO ESTEJA GANHANDO DINHEIRO DE VENDA DE CD -, claro que não devem ser taxados em nada.
Portanto, sou 100% a favor de que a lei seja igual para todos, crentes ou descrentes. O que é culto é culto. O que é show (remunerado) é show.
Isto é ser coerente.
Abrç a todos os pensantes,
Omar.

De Ricardo Inácio
Concordo contigo Omar, ..., enquanto adoração, adoração, quando o ministério passou a ser profissão, com direito a gravadora, lançamento de CD, comercialização, etc, ..., É claro que a Lei é plausível! Não há o que questionar. Pois estamos tratando de uma profissão e não de um ministério de adoração eclesial. O mérito aqui não é dizer que ao entrar para o campo profissional, a adoração tornou-se falsa, mas sim, que como campo profissional, deve estar sujeita aos mesmos encargos daqueles que exercem a profissão... Por que seria diferente?

De Claudio Britto
Por que para o ministério pastoral, por exemplo, não existe uma uma "ordem dos pastores (ou pregadores, como bem ironizou o Daniel) do Brasil"? Ou por que o pastor (pelo menos nazareno) não recebe salário e sim prebenda? Simples, porque o pastorado não é uma profissão, não tem carteira assinada, é um ministério. Se o critério para que o músico faça parte da OMB é que ele receba algum salário, então todos que tem algum ministério na igreja e que são remunerados deveriam ser integrantes de alguma ordem ou conselho também..

Existem algumas igrejam que contratam músicos, ou seja, eles são funcionários tão quanto a secretária, o zelador ou contador da igreja, por exemplo. Este tipo de músico não tem uma relação de ministério com a igreja e sim uma relação trabalhista. Desta forma, neste caso, pode-se exigir que o tal possua credenciamento, pois o tal está atuando na igreja como trabalhador e não como voluntário.

Mas pergunto: essa é a realidade da grande massa dos músicos nas igrejas? Evidentemente não. A maioria é voluntária e nada recebe para tal e sua relação com a igreja é puramente ministerial e não trabalhista.
Há ainda os músicos voluntários que recebem algum tipo de ajuda de custo, mas isso também não configura uma relação trabalhista.
Por que um voluntário precisa estar filiado a uma ordem que regula (ou deveria regular, pois, Leo, na prática ainda não vi acontecer o que vc citou) o bom funcionamento da profissão se o que ele esta fazendo na igreja não é exercendo sua profissão, mas se voluntariando de forma digamos, amadora?

Não é o caso "espiritualizar" esse debate, no tocante ao ser ou não adorador, ou quanto ao famoso ser levita (aproveitando: sou músico, sou adorador, mas não sou levita, pois não sou judeu, sou brasileiro e sou sacerdote real, em Cristo Jesus...) ele precisa ser debatido do ponto de vista "voluntariado ou trabalho?"

Um abraço a todos!
Vamos enriquecer ainda mais esse debate!

Claudio Britto

De Abner Borba
A OMB é FRACA, DESORGANIZADA e NAO TRAZ NENHUM BENEFÍCIO: NEM PRA FISCALIZAR O CUMPRIMENTO DA LEI, NEM PARA OS MÚSICOS PROFISSIONAIS QUE T/ÊM QUE RALAR MUITO PRA PODER COMER, PAGAR ALUGUEL E AINDA PAGAR MUITO PRA MANTER SEUS INSTRUMENTOS EM DIA (SAO CARÍSSIMOS).AO INVÉS DE SE PREOCUPAR COM QUEM GANHA DINHEIRO , DEVERIAM SE PREOCUPAR COM QUEM NAO GANHA, OU SEJA, OS MÚSICOS.......COBRAR É FÁCIL!!!!!!!!!

De Fabrício Porto
A paz meus irmãos.
Não posso deixar de agitar um pouco este negócio rsrsrs.
Primeiramente a Lei 3.857/60 regulamente a criação da OMB, suas atribuições e responsabilidades e por consequência o exercício da profissão, não de músico mas do "artista" profissional (copistas, compositores etc). Define a organização da ordem, sua gestão por conselhos federais e forma de eleição de seus membros. Aliás tem algum evangélico em algum dos conselhos da ordem? Obviamente que a Lei se refere a um exercício formal e que requer, claro, a forma da lei. Qual seja, o contrato, este e somente este pode e deve ser fiscalizado pela lei. O contrato é especifico mas é de trabalho com limitação de horas, almoço, férias etc.. e claro para tal o artista deverá ser regulamentado pela OMB.
A titulo de informação já existe pedido da procuradora do Estado de SP Dra Deborah Duprat para extinção da OMB por incompatibilidade das restrições impostas pela ordem e, segundo o entendimento do Ministério Público o principio constitucional (CF/88) da liberdade de expressão da atividade artistica, prevista no artigo 5o.
Passado isso, parece meus irmãos, que estamos na verdade buscando uma resposta para tanta descaracterização de nossos dias no que se refere ao amar, servir e adorar ao Senhor. E no fim do tunel brilha a luz da lei. Lembram dela queridos? Incapaz, limitada, impositiva, restritiva, liturgica.
Não podemos nos deixar levar e acreditar que um instituto legal seja capaz de mudar corações. Vejam o sistema penitenciário como está. (prenderemos todos?)
Creio que esse seja o clamor daqueles que concordam com a lei e daqueles que discordam. O "mundo" gospel precisa da experiência de Isaias 6 quando a glória do Senhor vai no ponto e resolve.
Um abraço

De Leonardo Moreira
Essa é a palavra de quem entende das leis. Ou eu sonhei que o Pr. Fabricio estuda direito? bom de qualquer forma, o músico que exerce a profissão precisa estar sim registrado em os pagamentos em dia com a ordem. e isso independente de que a instituição traga ou não benefico para o musico.
Outras Postagens...
 

Seguidores deste Blog

Vídeos do Claudio

Loading...

Pesquisar neste blog

Carregando...
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

© 2010 Vamos Pensar? Design by Dzignine
In Collaboration with Edde SandsPingLebanese Girls